Mark Zuckerberg pode ter perdido 84% do Facebook. O fundador da maior rede social do mundo teria assinado em abril de 2003 um contrato que dá ao novaiorquinho Paul Ceglia o controle da empresa e direito a 84% de suas ações.

Ceglia contratou Zuckerberg quando ele ainda era um estudante de Harvard para desenvolver um site por US$ 1 mil, a menor oferta feita a Ceglia. O garoto mencionou um projeto próprio, uma versão virtual do anuário de Harvard, e Ceglia teria investido na empreitada Lisa Simpson, advogada do Facebook confirmou apenas que Zuckerberg e Ceglia tinham um contrato. “Não estamos certos de que ele assinou algum documento”, disse Simpson à Bloomberg.

Ceglia processou o Facebook e Zuckerberg em uma corte estadual em 30 de junho alegando a existência do contrato que lhe dá o controle da rede social. Atualmente os bens do Facebook se encontram congelados por conta disso. Em uma audiência realizada ontem, foi decidido que este congelamento expirará na próxima sexta-feira. Apesar de não ter dito que o documento é falso, o Facebook alega ter sérias dúvidas quanto à sua autenticidade. A rede social ainda diz que talvez Ceglia tenha se mantido em silêncio por muito tempo, mais de seis anos no caso, e sua requisição seja antiga demais para ser levada à frente. Além disso, o contrato em questão, que se refere ao “The Face Book”, foi assinado nove meses antes do Facebook ser fundado.

O advogado de Ceglia se recusou a explicar por que seu cliente demorou tanto para se manifestar. Também não disse se ele fez algum pedido em dinheiro ou ações antes de processar a empresa e seu fundador. Investimentos feitos no passado no Facebook conferiram à empresa valores entre US$ 6,5 bilhões a US$ 15 bilhões. Segundo o site SharesPost.com, que avalia empresas de capital fechado, a rede social vale hoje US$ 24,6 bilhões”.

Do Época Negócios